• 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9

A prevalência das quedas em idosos é de um 28% a 35%, sendo de 32% a 42% em idosos de ≥75 anos. Esta prevalência aumenta para um 50% em idosos institucionalizados (Blade et al., 1988; Campbell et al., 1981; Tinetti, 1987). Outro aspecto a destacar das quedas são as lesões derivadas das mesmas (Sattin et al., 1990) e as hospitalizações devido às fraturas (Al-Faisal et al., 2006). O período de hospitalização varia entre 4 a 20 dias após de uma queda (Roudsari, 2005; Seematter-Bagnoud et al., 2006), mas com o aumento do envelhecimento e a fragilidade o idoso pode estar hospitalizado pelo resto da sua vida (Zuckerman, 1996).
Os fatores de risco ambientais representam de um 30 a 50% das quedas, mas existem outros factores de risco relacionados com marcha e equilíbrio (20-50% das quedas), e a diminuição da força muscular dos membros inferiores (10-25% das quedas) (Rubenstein & Josephson, 2006). Assim, na prevenção de quedas no idoso é importante incluir programas de exercício físico direcionados à melhora da força, flexibilidade, e equilíbrio do idoso. Portanto, esta apresentação abordará as recomendações relativamente ao exercício físico de força, flexibilidade e equilíbrio, contribuindo como estratégia para melhorar a funcionalidade e reduzir o risco de quedas nos idosos.

Organização:

Club Clínica das Conchasuhltgnosies

Apoio:

acsmexercise is medicine