Jovem Investigador

Pretendemos formalizar uma rede de contactos fundada no espírito PRACTICE. Várias gerações de clínicos e investigadores que configurarão o futuro nacional da investigação em Ciências Médicas e do Exercício, assim como encarregar-se-ão da sua aplicação num âmbito clínico. O prémio Jovem Investigador é atribuído às melhores comunicações orais em anos de Congresso PRACTICE. Este prémio poderá corresponder a um ponto de partida científico para as suas carreiras.

practice 2008 33

Cesar Sá, 2013

Cesar Sá, 2013

“Impacto de um programa estruturado de Hidroterapia no equilíbrio, risco de quedas, medo de cair e qualidade de vida relacionada com a saúde em Idosos, durante 12 semanas”

- O que significou para si ganhar o prémio de Jovem Investigador?
Significou uma enorme satisfação e alegria, não só pelo reconhecimento da dedicação e do esforço do meu trabalho, mas também pela motivação que adveio do mesmo, para fazer mais e melhor. Aprendi que tudo se consegue, bastando realmente empenho e foco no nosso objetivo para atingir a meta com sucesso garantido. Este prémio foi também gratificante na medida em que me fez crescer pessoal e profissionalmente. Aprendi imenso com a partilha do meu trabalho num congresso que se tem destacado ao longo do tempo pela excelência. Por fim, este prémio simbolizou ainda o reconhecimento da minha paixão pela complementaridade entre a saúde e o exercício e o importante papel que tem na vida das pessoas.

- O que tirou de mais positivo da experiência do concurso científico?
Penso que esta experiência me fez olhar para o meu trabalho com outro olhar, tendo enriquecido ainda mais a minha capacidade de debate/discussão, sendo muito interessante a partilha e a discussão deste tema com uma plateia de especialistas, verificando os pontos fracos e os pontos fortes do mesmo. No fundo, é uma experiência de aprendizagem que enriquece sempre as futuras investigações. Também o facto de ter dado destaque a um tema sobre o qual já trabalho, na prática, há vários anos e no qual acredito e tento divulgar, foi igualmente importante e positivo, como forma de alertar para novas formas de intervenção na área e fundamentar mais a prática já existente. Acima de tudo foi um desafio ao qual me propus, e como em tudo o que faço, dei tudo de mim. Portanto, e a meu ver, foi um desafio superado.

- De que forma esse prémio e a sua inserção na Comunidade PRACTICE fomentou o seu trabalho/investigação?
O trabalho que apresentei no congresso PRACTICE foi o estudo quase-experimental que realizei no âmbito da minha dissertação de Mestrado em Exercício e Bem-Estar da Universidade Lusófona, tendo tido como orientador o Prof. Doutor António Palmeira, tendo sido ele o meu grande apoio para ter confiança para me candidatar a este prémio. Este meu percurso fez-me perceber que a área da investigação me dá bastante prazer, tentando conciliar a intervenção terapêutica/clínica com a investigação (prática baseada na evidência). O doutoramento está também nos meus planos para breve. Este prémio fez-me ganhar confiança na minha conduta a nível da investigação, mas também sinto que me trouxe uma responsabilidade acrescida, tendo como objetivo manter e aumentar o meu nível de rigor científico em estudos futuros.

- O que recomendaria aos futuros candidatos?
Não tenham receio de se candidatarem, porque realmente é um momento de grande aprendizagem, um desafio e uma forma de mostrar os resultados do vosso trabalho científico. Tentem sempre dar o vosso melhor, quer a nível da apresentação, destacando os aspetos mais importantes do vosso trabalho, com uma linguagem clara e concisa, quer a nível da fundamentação do mesmo, de forma a responder às possíveis questões colocadas pelo júri. No fundo, e resumindo, tornem o vosso trabalho forte em termos de rigor científico, mas também na forma sistematizada e clara com que o fundamentam e apresentam. Sejam rigorosos na realização do mesmo, o que irá tornar a sua apresentação muito mais fácil. Sejam também dinâmicos e respeitadores do tempo da apresentação. Assim, o sucesso poderá estar garantido. Pelo menos, da vossa parte

Helena Murta, 2013

Helena Murta, 2013

- O que tirou de mais positivo da experiência do concurso científico?
Foi uma experiência interessante, uma vez que as duvidas colocadas pelo júri fizeram-me (re)pensar o estudo sobre outro(s) ponto(s) de vista e assim melhorá-lo ainda mais. Por outro lado, o facto de na plateia estarem profissionais de várias áreas de intervenção fez com que esta experiência fosse ainda mais enriquecedora


- De que forma esse prémio e a sua inserção na Comunidade PRACTICE fomentou o seu trabalho/investigação?
Sendo uma pessoa motivada por natureza, este prémio veio dar-me mais alguma "energia" para continuar a formar-me, a investigar e a querer saber mais na área do exercício e saúde, para assim poder ajudar mais utentes na minha prática clínica 


- O que recomendaria aos futuros candidatos?
Recomendo que apresentem os seus estudos, aliás aconselho esta experiência a todos os jovens (e menos jovens) investigadores, também como uma forma de treino de apresentações para um público mais vasto. A apresentação dos seus estudos é importante para toda a comunidade e torna-se urgente que todos tenham a noção que a investigação não deve ficar "na gaveta" ou "fechada" nas revistas da especialidade. A partilha de conhecimentos é o alicerce do saber e como tal deve ser estimulada entre todos nós.
É importante que o Practice continue pois este tipo de "partilha" pode também ser "o motor de arranque" ou a motivação para outros para fazerem o mesmo, melhor, ficarem com ideias para temas ou até mesmo continuarem o nosso estudo.
Por último, não posso deixar de referir que, embora não sendo jovem, nem sequer uma investigadora "nata", aceitei este desafio como mais um a ser ultrapassado com "brio" e paixão e só por isso já valeu a pena! Assim, se eu o ultrapassei, tu também vais conseguir e acredita que vais gostar!


Abraço Aquático :-)
Helena Murta
Fisioterapeuta

Renato Andrade, 2013

Renato Andrade, 2013

“Effect of static stretching before exercise on muscular strength or jump performance: A Systematic Review”

- O que significou para si ganhar o prémio de Jovem Investigador?
Ganhar o prémio Jovem Investigador traduziu-se numa validação e reconhecimento da minha dedicação, ética e esforço em prol da ciência.

- O que tirou de mais positivo da experiência do concurso científico?
As perguntas que me foram colocadas e a discussão construtiva que o trabalho apresentado mereceu permitiu-me identificar espaços novos de raciocínio que não tinha visitado durante a execução do trabalho. Assim, entendo que me ajudaram a desenvolver a amplitude de análise sobre o meu próprio trabalho e, naturalmente, isso representou um contributo importante para a aprendizagem e desenvolvimento das habilidades de investigação.

- De que forma esse prémio e a sua inserção na Comunidade PRACTICE fomentou o seu trabalho/investigação?
Sinto que foi mais um incentivo para continuar. É sempre muito simpático receber um prémio! O prémio foi também consequência de um processo de aproximação à investigação e à discussão interdisciplinar, para a qual sempre fui motivado e preparado durante a Licenciatura em Fisioterapia na Universidade Fernando Pessoa.

- De que forma esse prémio e a sua inserção na Comunidade PRACTICE fomentou o seu trabalho/investigação?
Recomendaria em primeiro lugar, participar. Essencialmente, porque o percurso e o trabalho que a participação implica, são em si só, conducentes a vitórias, ainda que estas nada tenham que ver com o prémio a atribuir no concurso em questão. Incentivo ainda a acreditarem no potencial do seu trabalho e não deixar de se dedicarem em função da ciência pois o seu esforço será sempre recompensado.

Susana Pereira, 2012

Susana Pereira, 2012

"Associação entre o suporte parental e dos pares e actividade física de crianças e adolescentes. Resultados do programa PESSOA"

José Parraça, 2012

José Parraça, 2012

"Influence of an exercise program based on balance and rebalance and fluctuations in body weight in institutionalized patients"

Nuno Tavares, 2011

Nuno Tavares, 2011

"O efeito de um programa de exercício físico na capacidade funcional em doentes cardíacos"

João Moita, 2011

"Talar compression syndrome in female ballet dancers"

Organização:

Club Clínica das Conchasuhltgnosies

Apoio:

acsmexercise is medicine